Audiência Pública da Comissão da Vacina vai ouvir envolvidos nos casos de fura-fila em Rio Branco do Sul



A Comissão Especial de Investigação (CEI) da Assembleia Legislativa, que apura fraudes de vacinação contra a covid no Paraná, vai realizar na próxima semana uma Audiência Pública para ouvir os envolvidos na denúncia de fura-filas em Rio Branco do Sul. A cidade, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), recebeu a primeira diligência da Comissão na semana passada.

Serão convidados a prefeita Karime Fayad, que encaminhou à Promotoria de Justiça um relatório com nomes que teriam furado a fila, o secretário de Saúde do município, Rafaele Corradi e ainda os proprietários de duas clínicas odontológicas e de um laboratório que teriam vacinado familiares fora das regras prioritárias de imunização, incluindo um jovem de 17 anos.

“Essa audiência visa resguardar a credibilidade da vacinação no Paraná. Destacando o exemplo da prefeita que apurou os casos e denunciou os fura-filas. Pessoas que usaram a sua prerrogativa da área de saúde para vacinar fora da lista de prioridade na imunização”, explicou o deputado Delegado Francischini, presidente da Comissão Especial.

A Assembleia aprovou ainda os requerimentos da CEI pedindo informações a diversos órgãos de controle. O objetivo é recolher o maior número de elementos e cruzar dados que indiquem possíveis irregularidades.

Os pedidos são para o Tribunal de Contas do Paraná (TCE-PR), Tribunal de Contas de União (TCU), Controladoria Geral do Estado (CGE), Controladoria Geral da União (CGU), Secretaria de Saúde, Ouvidoria do Ministério da Saúde e às promotorias de Proteção ao Patrimônio Público e Ordem Tributária e de Proteção da Saúde do Ministério Público do Paraná.

“O trabalho da CEI tem um efeito pedagógico e preventivo de demonstrar que ninguém vai ficar impune se furar a fila. Sejam autoridades, políticos, que entram agora em nova fase de investigação, ou sejam pessoas que usam CPF de mortos”, afirmou Francischini.

“Estamos em cima e vamos percorrer o Paraná, fazendo uma investigação completa, encaminhando ao Ministério Público e à polícia as informações obtidas. E também obtendo um avanço legislativo para ajudar a fechar esse furo na vacinação, não deixando que isso se repita”, reforçou.

Denuncie

Para encontrar mais casos a serem investigados, Francischini convocou a sociedade a contribuir. “A população tem papel fundamental no trabalho da Comissão Especial. Se você sabe ou conhece alguma história de irregularidades na vacinação do seu município, sua denúncia vai contribuir para acabarmos com esse mal pela raiz do problema”, completou.
As denúncias podem ser feitas pelo email vacinacovid@fernandofrancischini.com.br

Deixe seu comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem