Após ‘babaquice’ do médico brasileiro no Egito, mídia quer atribuir culpa ao presidente Bolsonaro


O médico gaúcho Victor Sorrentino foi preso no último final de semana em Cairo, após publicar um vídeo no Instagram onde faz uma brincadeira misógina com uma muçulmana.


A mulher estava oferecendo papiro – tipo de papel utilizado pelos egípcios desde os tempos dos faraós – ao médico, que fez uma brincadeira nada conveniente e falando em português para a moça: "vocês gostam mesmo é do bem duro, né? Comprido também fica legal, né?”, diz ele aos risos no vídeo.


A vendedora, sem entender, concorda e sorri, enquanto o médico e seu amigo dão risadas. O vídeo foi publicado por ele em seu perfil que soma quase 1 milhão de seguidores no Instagram. Após denúncias, até mesmo de brasileiras que seguem o médico, a polícia egípcia prendeu ele e o Ministério Público local irá denunciá-lo nesta segunda-feira, 31.

 

Não há informações sobre o que prevê a legislação egípcia neste tipo de caso e nem quanto o brasileiro pode pegar de pena. Provavelmente o médico a partir de agora não terá uma vida muito fácil na prisão daquele país.

 

Repercussão da “grande mídia” brasileira

 

Com não poderia de ser, a “grande mídia” brasileira, sedenta pelos milhões de reais em verbas da SECOM e que secaram na gestão Bolsonaro, começou a apontar que o médico foi eleitor do presidente em 2018.


Tudo bem, ele fez uma enormíssima besteira? Fez. Mas o que tem a ver uma coisa com a outra? Nada.


Já que é pra apelar, vamos relembrar do fato do professor petista Pedro Barbosa, 32 anos na época, eleitor assumido de Haddad em 2018 e que o portal Jornal da Cidade Online repercute que essa mesma mídia ignorou dele ser petista e eleitor do poste de Lula.




 Caro leitor do Portal 57, pode ter certeza que nesta segunda, a repercussão deste caso vai cair nas costas novamente do presidente Jair Bolsonaro. Anotem aí. 

Deixe seu comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem