Médica Ludhmila Hajjar não foi convidada para ministra da Saúde e ‘mandetou’ na CNN


Ludhmila Hajjar não pode ter recusado convite que não lhe foi feito, afirma Fabio Farias.

“Dra. Ludhmila é uma médica de muita credibilidade”, disse o ministro. “São injustos os ataques dirigidos a ela. Não procedem as informações de declínio do convite por divergências entre ela e o PR. Houve conversas fluidas entre eles, mas não pode ter havido recusa a convite que não foi feito.”

A médica deu uma entrevista para a CNN Brasil e em vários momentos parecia o ex-ministro Mandetta, quando disse divergir do tratamento precoce, um dos fatos de combate ao coranavírus defendido pelo presidente Jair Bolsonaro.

Ministro das Comunicações defende médica

O Ministro das Comunicações, Fábio Faria, que a pedido do presidente Jair Bolsonaro está no centro das articulações para a escolha de um novo ministro da Saúde, publicou há pouco um post em suas redes sociais no qual defende a médica Ludhmila Hajjar, cotada para substituir o ministro Eduardo Pazuello, mas afirma que “não pode ter havido recusa a convite que não foi feito”.

Desde a tarde deste domingo, 14, a médica vem sendo citada como alguém que teria sido convidada para assumir o comando do Ministério da Saúde.

Hajjar não se fez de rogada, concedendo várias entrevistas afirmando que não aceitaria o convite em razão de diferenças “técnicas” com o governo.

Em seu post, o ministro Fabio Faria defende a cardiologista, dizendo que ela não tinha sido convidada, somente conversado com o presidente.

Postar um comentário

0 Comentários