Vereadora de Curitiba é presa pelo Gaeco acusada de ‘rachadinha’

Vereadora Fabiane Rosa (PSD)

A atual da legislatura da Câmara Municipal de Curitiba já tem a segunda vereadora da causa animal sendo investigada por “rachadinhas” (quando um funcionário comissionado devolve parte do salário) – a primeira foi Kátia Dittrich, a Kátia dos Animais de Rua, condenada em primeira instância pela Justiça.

Agora pela manhã, Fabiane Rosa (PSD), pré-candidata e aliada do prefeito Rafael Greca na casa de leis, foi conduzida ao Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), no bairro Ahú, após cumprimento de mandados de busca e apreensão no gabinete dela e na residência.

A prática de rachadinha consiste no repasse – de um servidor público ou prestador de serviços da administração – de parte da remuneração recebida para políticos e assessores.

Conforme o advogado Chiquini, a vereadora foi presa preventivamente, quando não há prazo determinado para deixar a prisão, deve ser ouvida na semana que vem.

Ela será encaminhada para o presídio feminino de Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba, e vai ficar em uma cela especial porque tem Ensino Superior.

Ainda conforme o advogado, no fim da manhã Fabiane precisou ser atendida por um ambulância porque teve um pico de pressão, mas logo foi liberada.

Fabiane Rosa tem 47 anos e se elegeu na eleição municipal, em 2016, e assumiu o primeiro mandato na câmara com mais de sete mil votos. Ela ficou conhecida por defender os direitos dos animais e por apresentar um projeto de lei, no fim do ano passado, proibindo a queima de fogos nas festas de fim de ano na capital.

Via G1 e Blog do Tupan

Postar um comentário

0 Comentários