Sara Winter é transferida para penitenciária em Brasília

Sara Winter em manifestação na Esplanada dos Ministérios no sábado (13.jun)

A Polícia Federal transferiu na tarde desta quarta-feira, 4, a ativista Sara Winter da Superintendência da PF em Brasília para o presídio feminino de Colmeia, também na capital federal.

A líder do movimento “300 do Brasil” foi presa na manhã de segunda-feira, 15, junto a outros 5 integrantes do grupo. Os mandados de prisão temporária (com validade de 5 dias, prorrogáveis por mais 5) foram pedidos pela PGR (Procuradoria Geral da República) e autorizados pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal).

As prisões decorrem das investigações do inquérito que apura o financiamento a manifestações com pautas antidemocráticas.

A defesa informou que a ativista foi transferida sem que o habeas corpus fosse avaliado pela Justiça. Os advogados afirmam que até as 19h30 desta quarta-feira defesa não teve acesso à decisão que motivou a prisão temporária de Sara Winter, ocorrida na segunda-feira, 15.

Em depoimento à PF, Sara Winter não respondeu aos questionamentos feitos sobre as ameaças nas redes sociais ao ministro Alexandre de Moraes depois de ter sido alvo de mandados de busca e apreensão.

O grupo “300 do Brasil” simulou 1 bombardeio ao STF  com fogos de artifício no último sábado (13.jun). Sara afirmou que o grupo não é responsável pela autoria da ação. Segundo ela, outros 2 grupos também estavam acampados em Brasília até o fim de semana, o QG Rural Agro e o Patriotas, todos com bandeiras, pautas e atuações diferentes.

Sara buscou dissociar os 300 da posição antidemocrática e disse que eles são mais voltados para a “desobediência civil e ações não violentas”.

Postar um comentário

0 Comentários