Movimentos Negros silenciam aos ataques da mídia à Alberto Decotelli, novo ministro da Educação

Presidente Jair Bolsonaro e o novo ministro da Educação, Alberto Decotelli (Foto: Reprodução Facebook)


Em postagem nas suas redes sociais nesta segunda-feira, 29, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que irá manter o novo ministro da Educação, Alberto Decotelli, mesmo havendo algumas inequações curriculares, conforme apontadas pela grande mídia.

Antigamente nos tempos do PT, tendo Fernando Haddad, que foi o pior prefeito de São Paulo, a mídia não se mexia para fazer uma varredura de sua vida acadêmica.

Leia abaixo a íntegra da postagem do presidente Bolsonaro a respeito:

“- Desde quando anunciei o nome do Professor Decotelli para o Ministério da Educação só recebi mensagens de trabalho e honradez.

- Por inadequações curriculares o professor vem enfrentando todas as formas de deslegitimação para o Ministério.

- O Sr. Decotelli não pretende ser um problema para a sua pasta (Governo), bem como, está ciente de seu equívoco.

- Todos aqueles que conviveram com ele comprovam sua capacidade para construir uma Educação inclusiva e de oportunidades para todos.”

Movimentos negros em silêncio

Quando se fala em “movimento negro”, qual é a primeira coisa que vem em sua mente? A luta por “igualdade racial”? A luta contra a não discriminação nos espaços públicos e privados e por maior visibilidade para a população de “raízes africanas”?

Este é o pensamento da maioria que fala contra, por exemplo, o “racismo estrutural”, o qual muitos dizem existir na sociedade ao ponto de prejudicar o protagonismo da população negra.
Não discutimos o mérito sobre a – ainda – lamentável existência do racismo, pois ela é fato. A discussão aqui é sobre o mérito dos grupos que dizem lutar contra o racismo e em prol do negro.

Nomeação de Decotelli

A nomeação do novo ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli, sugere que os movimentos negros, ou pelo menos parte deles, não estão realmente preocupados com a visibilidade do negro, mas sim com uma agenda política e ideológica que vai muito além da questão racial.

Não por acaso a rede americana de TV CBN News, publicou recentemente uma matéria apontando exatamente isso, segundo informações do Partido Brasil. Segundo o editorial, o movimento “Black Lives Matter” é mais uma ferramenta da esquerda para promover os ideias marxistas, e não a causa negra.

No Brasil, por exemplo, o silêncio do movimento negro diante da nomeação de Decotelli, que é negro e possui um currículo exemplar, seria um indício claro de que o movimento, de fato, não está interessado no negro em si, mas em outras pautas.

Ou será que a nomeação do primeiro ministro negro para o governo Bolsonaro, acusado por alguns de ser “racista”, não seria algo digno de nota? Ainda que criticamente, mas em tom positivo para com a figura de Decotelli, uma manifestação com relação ao fato seria coerente, mas nem isso.

Apoio texto: Site Opinião Crítica

Postar um comentário

0 Comentários