General Heleno fala em 'consequências imprevisíveis’ se celular de Bolsonaro for apreendido pelo STF

General Heleno, Ministro Chefe da Segurança Institucional da Presidência 


O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Melo, determinou nesta sexta-feira, 22, para a Procuradoria Geral da República (PGR), a apreensão do celular do presidente Jair Bolsonaro e do seu filho, o vereador Carlos Bolsonaro, em relação a investigação de suposta interferência na Polícia Federal (PF). A acusação foi feita pelo ex-ministro da Justiça Sérgio Moro.

A reação sobre a interferência do Judiciário sobre a privacidade do Chefe do Executivo Federal partiu da ala militar, principalmente do General Heleno, Ministro Chefe da Segurança Institucional da Presidência.

Em nota – que foi compartilhada por Bolsonaro pelas rede sociais – Heleno afirma que “seria uma afronta à autoridade máxima do Poder Executivo e uma interferência inadmissível de outro Poder, na privacidade do Presidente da República”.

General Heleno ainda afirma em nota que “O Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República alerta as autoridades construídas que al atitude é uma evidente tentativa de comprometer a harmonia entre os poderes e poderá ter consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional”.

Interferência se refere à acusações do ex-ministro Moro

Em decisão, Celso de Melo determinou que Bolsonaro fosse intimado a prestar esclarecimentos ao STF. O vídeo da reunião ministerial ocorrida em 22 de abril, onde Moro acusa Bolsonaro de exigir troca da superintendência da PF no Rio de Janeiro, foi liberada na íntegra por Celso de Mello.

Deputados aliados do presidente questionam nas redes sociais porque o mesmo STF não fez esforço algum em recolher e periciar os celulares do advogado de Adélio Bispo, homem que tentou matar Bolsonaro durante a campanha de 2018. 

"A onça vai beber água", disse um deputado paranaense ligado à Aliança Pelo Brasil - partido a ser fundado por Bolsonaro - que não quis se identificar para a reportagem.

Leia a nota:

Postar um comentário

0 Comentários